IRMÃS JORGE NA ROTA DE NOVO TÍTULO DE PARES

Mais um dia histórico para o ténis português com a dupla mais consagrada, composta pelas irmãs Francisca e Matilde Jorge, a garantir a presença em mais uma final de pares do circuito internacional.

Numa meia-final renhida com as britânicas Sarah Beth Grey e Eden Silva, as “manas” vimaranenses estiveram a perder em ambos os sets, mas, a experiência que adquiriram ao longo do tempo, fez com que conseguissem recuperar e ser bem sucedidas. A vitória por 6-4 e 6-4 foi o corolário do empenho que tiveram e um merecido prémio para o excelente trabalho que vão fazendo diariamente com a sua equipa técnica do Centro de Alto Rendimento da Federação Portuguesa de Ténis. Matilde e Francisca vão agora defrontar a chinesa Fangran Tian e a norte-americana Ashley Lahey, que levaram a melhor sobre a dupla ucraniana composta pelas irmãs Maryna e Nadyia Kolb, por 6-7 (7), 6-3 e 10-6. (final agendada para as 15 horas).

Nos singulares, estão encontradas as semifinalistas, com um dos encontros a ser discutido por duas das mais promissoras tenistas da nova geração, Alina Korneeva (16 anos) e Petra Marcinko (17 anos), enquanto na outra,  vão estar a brasileira Laura Pigossi (29 anos) e a francesa Leolia Jeanjean (28 anos).

Korneeva bateu a experiente tenista gaulesa Amandine Hesse, por 6-3 e 6-2, enquanto Marcinko também foi superior a outra jogadora francesa, no caso, Alice Robbe, por 6-3 e 6-1. Frente-a-frente vão estar duas jogadoras que já contam com títulos do Grand Slam, Korneeva foi campeã no Open da Austrália e em Roland Garros (torneio júnior) ao passo que a croata Martinko também foi bem sucedida em Melbourne.

Já a brasileira Laura Pigossi, primeira cabeça-de-série, beneficiou do abandono por lesão da húngara Timea Babos, com a magiar a ressentir-se de uma lesão no tendão de aquiles da perna direita quando o resultado era favorável a Pigossi por 6-2 e 1-0.

A francesa Leolia Jeanjean anulou a desvantagem que tinha com a britânica Sonay Kartal, que fechou a primeira partida por 7-5, mas, depois, foi a tenista de Montpelier a ser resiliente e encerrar o encontro por 6-3 e 6-2.

Partilha: